quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Terceiro capítulo

                                                    Cansada de quê, se não faz nada?
Angela Delgado

     Dita de brincadeira ou não, é uma frase típicamente machista, além de ser a mais equivocada de todas, pois não há nada tão sobrecarregado quanto esse "nada" na vida das mulheres. Se ele pudesse ser "desembrulhado" seria um infindável rosário de atividades repetitivas e cansativas, pois, enquanto todos dormem, pessoas que não fazem "nada" estão a mil, e ai de todos se fôssemos fazer jus à frase ingrata. Se não tivéssemos tantas coisas a nos ocupar, poderíamos cuidar de nossos interesses, acabar de ler aquele livro interessante e, quem sabe, até escrever um?
     Livro que começaria assim:
     Pela habilidade de achar objetos perdidos, sou muito solicitada e embora perdendo minutos preciosos ao procurá-los, faço-o com prazer, já que costumo me sair bem em tais empreitadas.
     Ou assim:
     Davi, um menininho de oito anos, reclama choramingando:
     - Todo dia você me manda tomar banho?
Essa ordem não foi dada por sua mãe que, para se livrar do estresse provocado pelas crianças, se ofereceu a ir à padaria, quando eu estava de saída para comprar pão. E ela já me perguntou como vou viajar e deixá-la com seus quatro filhos, justamente na época de seu TPM.
     Acho que nunca tive TPM, pois essa manifestação de mau humor foi rotulada há pouco tempo. Em compensação, estou há dois anos, com dor na cervical. Fui a vários ortopedistas, fiz massagem, acumpuntura, fisioterapia e, como ninguém conseguiu debelá-la, marquei consulta com um bam-bam-bam de Brasília. O problema é que sempre a secretária desmarca. Na última vez, meu marido atendeu o telefone.
     - É aquele médico que brinca de marcar consulta?
     Depois, a secretária me ligou: - A senhora não retornou a ligação...
     - Para que o faria, se a consulta foi desmarcada?
     - Para remarcá-la!
     - Obrigada, desisti desse médico.
     Marquei, então, um horário com um osteopata, mas, como irei ao Rio, onde tenho um primo ortopedista, resolvi aderir ao costume da desmarcação.
     Quase na hora do compromisso médico, saio do banho para telefonar e nossa secretária Adélia, a quem havia instruído a não confirmar a consulta, me conta que haviam ligado do consultório, informando que o osteopata estava doente.  - Que bom! Dissera ela, logo se explicando que não era porque ele estava doente, e sim porque eu não poderia mesmo ir.
     E assim foi confirmada a vontade de Deus de que o meu primo se encarregasse do problema. Sua secretária contou-me que as pacientes costumam lhe perguntar como ele é: velho, moço, bonito ou feio.
     Ela, inteligentemente, não revela que se trata do seu marido e diz:
     - Entre, depois a senhora me fala o que achou. E elas saem encantadas: - É um pão, vou investir nele!

     E ele me disse brincando que sua mulher respondeu: - Pena que é gay!

     O que não é nada engraçado é o fato de minha neta ficar vomitando no Corolla que cobiço comprar. Sim, porque o Xsara foi Filha Casada quem nos vendeu e agora, se quisesse fazer o mesmo com o carro automático com um som maravilhoso, eu me candidataria.
     - Filha, a cada vômito o carro se desvaloriza em mil reais.
     - Mãe, vou trocar o estofamento de couro por um novinho e ele vai se valorizar.
     - Você quer dizer que ele vai parar de se desvalorizar.

     Estava eu ocupada a digitar estas linhas, quando Davi veio me perguntar se havia me dito qual era sua senha do gmail.
     Ah, bom, se com oito anos já se começa a esquecer senhas, o esquecimento não é apanágio da minha idade. Mas, não vou anotar mais nada mesmo e vou viver "on"line", para registrar as hilaridades diárias, como Filha Caçula que levanta, embora demore um pouco a acordar.
     - Filha, fomos convidados a comer um strogonoff.
     - Hein, feijoada, onde?
     Ai, Jesus... Já as primeiras palavras da neta de seis anos ao acordar são:
     - Cadê o laptop da mamãe?
     Eu jamais empresto o meu. Filha Casada caiu nesse erro e deu no que deu: Filhos completamente viciados em telinhas. Como eles não herdaram isso de mim, minha "praia"sendo bem outra, fui ao cardiologista levar-lhe um convite para o lançamento do meu último livro:
     - Vim aqui mais para entregar-lhe esse convite, porque não vou morrer tão cedo. Se Deus quisesse que eu fosse agora, teria aproveitado a oportunidade do acidente do qual fui vítima há alguns dias: Vinha eu calmamente, quando senti o impacto de uma bala de canhão atingindo o meu carro de frente, o air-bag estourando e queimando o braço. Conforme uma testemunha, o pneu do carro de um rapaz vindo em direção contrária à minha havia estourado, ele perdera o controle, o carro rodou e veio com tudo em cima de mim.
     Deus, obrigada por estar viva e, aproveitando, peço que perdõe Saramago que, em Caim , escreveu que Abraão ao ter seu filho único pedido em sacrifício ao Senhor, deveria ter-lhe mandado à merda.
     É óbvio que o Senhor jamais pediria que um pai assassinasse seu próprio filho, o que, aliás, contraria os dez mandamentos. Isso foi intriga da oposição ou errônea interpretação de sua vontade. Há quem diga que ele o estava testando, mas não se testa alguém a esse ponto, pois, como disse o Prêmio Nobel português, o Senhor deve ter confiança em nós, para que possamos retribuí-la.

     Na saída do consultório, conversando enquanto esperava o elevador, depois de ter comentado que não ia ao cardiologista há três anos e que era surpreendente como o tempo estava passando rápido, uma senhora disse-me que tinha um amigo na UnB que lhe dissera que a aceleração do tempo era real e não impressão nossa.
     - Um amigo na UNB? (Era o gancho que faltava) Pois, na Feira de Livros aqui pertinho, ao lado do estande  da Livraria da Universidade, há o da Editora Thesaurus, onde está o meu novo livro.
     - Você é escritora?
     - Sou (admitindo-o pela primeira vez, pois prefiro dizer que publiquei alguns livros).
     - E o livro é bom?
     - Ótimo!
     - Você tem autoestima. Gostei. Vou lá.
     Foi? Foi nada. Não sei o que sucede com esse povo. Diz que vai, não vai. Diz que gosta de ler, mas, não compra livros...
     Deixa pra lá. Enquanto isso, me divirto com a astúcia do meu neto. Quando comentei com ele que, embora o ventilador do teto não estivesse ligado, sua sombra se movimentava, comentou:
     - Vó, é a luz da tv que provoca a sombra do ventilador e, quando há alguma mudança de luminosidade, ela se reflete nessa sombra.
     - Ah, bom, pensei que estivesse vendo fantasmas.


                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

2 comentários:

  1. Amiga, não fique assim tão impressionada com a falta de sensibilidade masculina! Alguns homens não sabem que pensar cansa.
    Esse seu neto anda com teorias muito elevadas.
    Bisous

    ResponderExcluir
  2. @Sueli Lili, o importante é termos a convicção de nossa utilidade e estarmos contente conosco. De qualquer modo, este E-book não começou a ser escrito ontem...
    Um feliz ano-novo cheio de desejos, como sugere a Martha, apesar de que algumas filosofias preguem justamente o contrário para se alcançar a tal felicidade, que, realmente não existe. O que podemos cobiçar é muita alegria.

    ResponderExcluir

Seu comentário aguardará moderação